Rio Grande do Norte: Capítulo 1

Capítulo1A

Hoje começa uma série de postagens a respeito da minha viagem em novembro do ano passado para o estado do Rio Grande do Norte!

E devo dizer que foi uma das melhores viagens da minha vida! O lugar é lindo, paradisíaco, você não consegue andar muito sem querer parar pra fotografar os lugares maravilhosos que existem nesse lugar!

O mais engraçado é que foi uma viagem que não estava planejada, acabou saindo de última hora, e eu e meu namorado tivemos pouquíssimo tempo pra nos organizar! Todo o tempo livre que eu tinha era dedicado à pesquisa de um roteiro bem legar pra gente fazer, então pra facilitar a vida do próximo, hehehe, resolvi postar tudo aqui!

Espero que seja útil!

ROTEIRO

Quando decidimos meio que no susto fazer uma viagem pro Nordeste, acabamos escolhendo o Rio Grande do Norte como destino, já que era meu sonho de consumo conhecer Natal! Optamos ir em novembro porque era o que tinha pra hoje, hahaha, mas demos muita sorte, porque era baixa temporada, ou seja, sem muvuca e com preços mais módicos, e um dos meses mais secos do ano, logo, com pouca probabilidade de chuvas! E fomos!

Em primeiro momento, estávamos com planos de ficar hospedado somente na capital potiguar mesmo, mas mudamos de idéia! Foi só começar a pesquisar sobre o litoral do estado, que a vontade de conhecer tudo de cabo a rabo foi tomando conta da gente, e decidimos alugar um carro em Natal para viajar pelo litoral todo! Como pegaríamos o carro bem no meio do litoral, na capital, onde nosso avião pousaria, o nosso trajeto não ficou super eficiente do jeito que a gente queria, mas até que deu pra aproveitar bem o tempo!

Ficaríamos 8 dias em terras potiguares, e chegaríamos em Natal numa terça-feira! Decidimos dormir a primeira noite na capital, visto que uma viagem de avião de São Paulo pra lá já seria suficientemente cansativa pra gente ter que pegar estrada de novo, mas logo ao amanhecer do outro dia, seguiríamos rumo ao litoral sul do estado!

E aqui fica uma dica bem legal: pesquisando hotéis em Pipa, descobrimos que o preço da diária de um mesmo hotel nos finais de semana chega a ser o triplo da hospedagem em dias de semana, então encaixamos Pipa na quarta e na quinta, pagando bem menos, e evitando praias muito cheias!

Na estrada até Pipa, as paradas seriam em Pirangi do Sul, pra conhecer o maior cajueiro do mundo, e depois passaríamos o resto da manhã em Tabatinga, quando seguiríamos viagem pra Pipa, pra aproveitar o fim de tarde!

Em Pipa planejamos ficar duas noites, e visitaríamos a Praia do Madeiro e a Praia do Amor! No dia seguinte, a parada seria em Baía Formosa, e depois do almoço, pé na estrada até a esquina do Brasil, a cidade de Touros!

Praticamente atravessamos o estado pela BR-101, que está em bom estado de conservação! Dois poréns: chegamos em Natal no horário de rush, perto das 5 da tarde, e perdemos o maior tempão no congestionamento! Evitem! O segundo porém: no meio do caminho, anoiteceu, e a estrada ficou num breu total, não dava pra ver absolutamente nada além do alcance dos faróis! Ok, o céu estrelado compensou o perrengue, mas todo cuidado é pouco, já que a pista não é duplicada, e em alguns trechos o asfalto foi recapeado recentemente e ainda não havia sinalização horizontal na pista!

Em Touros planejamos ficar 3 noites, com direito a um dia inteiro em São Miguel do Gostoso, e outro nas praias da cidade. Depois, rumo a Natal novamente, mas fazendo uma parada estratégica em Maxaranguape para um mergulho nos parrachos de Maracajaú!

Natal novamente para mais 2 noites na capital, e de volta pra selva de pedras!

HOSPEDAGEM

Não queríamos – e nem podíamos – gastar muito, então resolvemos fazer uma pesquisa minuciosa a respeito do custo x benefício de pousadinhas em todas as cidades onde dormimos!

Usamos o Trivago para ver o menor preço das diárias, que sempre estavam no Booking! Pra decidir qual seria a escolhida, delimitamos uma faixa de preço, abríamos somente os links das pousadas com notas altas segundo as avaliações dos usuários, e depois líamos as críticas da galera que já tinha ficado hospedada lá!

Já adianto que chegamos a excelentes conclusões, foram ótimas escolhas!

Em Natal, ficamos na pousada Caminho da Praia, a um preço de R$30/dia/pessoa. Super em conta se levarmos em consideração a sua localização, super perto (5 minutos de caminhada) da praia de Ponta Negra, a mais badalada de Natal, e a qualidade dos quartos, que são enormes, bem limpos, com uma cama super confortável, banheiros excelentes, e até uma cozinha bem equipada dentro de cada quarto! Sem falar no dono, o Yan, um francês que deixou Paris há 15 anos pra morar no paraíso! O único senão: não tem ar condicionado, só ventilador, mas que dá conta do recado! Recomendo de olhos fechados!

Em Pipa ficamos na pousada Império do Sol, a um preço de R$24,50/dia/pessoa. Desacreditamos no preço quando chegamos no local: eram vários chalézinhos individuais dispostos em uma área verde enorme e linda, com um mini complexo de piscinas no centro! Parecia um mini resort! Tudo muito limpo, bem espaçoso, com ar condicionado e estacionamento privativos! O único porém é que ela fica bem afastada do centro de Pipa, mas como a gente estava de carro, isso não era problema! Valeu super a pena, pretendemos voltar pra aproveitarmos melhor a estrutura de lá!

Já em Touros, ficamos na única pousada que o Booking disponibilizava pras datas, a pousada Novo Horizonte, a um preço de R$40/dia/pessoa. Não tivemos muita escolha nesse caso, por isso posso afirmar com certeza que, apesar do maior preço, foi a pior hospedagem da viagem, mas mesmo assim, deu pro gasto! O quarto era bem pequeno, o banheiro então… Mas isso não seria problema se o chuveiro funcionasse direito, mas não funcionava, hehehe! De resto, a pousada é bem simples, mas tem ar condicionado nos quartos, e um estacionamento privativo no terreno da frente! Foi bom mas poderia ter sido melhor!

TRANSPORTE

Decidimos logo de cara que alugaríamos um carro assim que saíssemos do aeroporto, e depois de pesquisar no site Argus Car Hire qual era a menor tarifa de aluguel, optamos pela Foco!

E aqui começa a única história desagradável da viagem!

Pra começar, o guichê dessa companhia fica fora do aeroporto, mas uma van deles te leva até o lugar pra você retirar o carro, sem custo algum! Ao chegarmos no balcão, a nossa reserva estava no sistema, mas a atendente disse que teríamos que deixar um débito de R$700,00 no cartão como calção caso acontecesse alguma coisa com o carro, que seria extornado quando retornássemos, e que teríamos que pagar um seguro obrigatório diário, pois sem ele o carro não poderia sair da locadora!

Isso não estava especificado no voucher que o site gerou para a nossa reserva, mas meu namorado conversou com ela que, pagando a locação do carro com o cartão dele, a própria Visa se encarrega de cobrir os custos com o seguro, e então a atendente liberou o carro pra gente! Quando entramos no carro, o funcionário que nos deu a chave disse que teria uma taxa de higienização de R$30 quando devolvêssemos o carro, algo que também não estava no voucher, e combinamos, eu e meu namorado, que não pagaríamos!

Ok, usamos o carro durante os 8 dias sem problema algum, nada aconteceu! Quando entregamos ele no guichê da companhia, ficamos surpresos de saber que a nossa reserva de R$450 do voucher tinha se transformado numa reserva de mais de R$700 por causa do seguro! Falamos que pagaríamos somente o que estava no voucher, mas a discussão foi em vão! Resultado: fomos embora sem pagar! Mas eles debitaram sem nossa autorização o valor integral da reserva, e estamos indo pros Pequenas Causas por causa disso! Ou seja, NÃO ALUGUEM CARRO COM A FOCO!!!

Textão e reclamações à parte, também ficamos um pouco arrependidos de não ter alugado um carro 4×4, pois existe bastante lugar legal que só esse tipo de carro consegue chegar!

A outra alternativa pra chegar nesses locais seria fechar um passeio com algum bugueiro credenciado, mas evitamos essa opção por dois motivos: um, já estávamos gastando bastante dinheiro com aluguel de carro pra ter que alugar um bugue em paralelo; dois, muitos bugueiros são bem sacanas, apagando várias placas no meio das estradas para que só eles consigam chegar nos lugares, e te indicando caminhos errados pra você atolar, eles irem te salvar e te cobrarem uma grana por isso! Ficamos com raiva deles, hahaha!

Por isso, fica a dica: alugue um 4×4, mesmo que o aluguel seja mais caro! Deixamos de conhecer lugares maravilhosos por causa disso!

 

Nossa, acho que me empolguei e escrevi demais! E ainda vão ter mais capítulos dessa nossa viagem, trecho a trecho, pra facilitar ainda mais a vida de quem quer viajar pelo Rio Grande do Norte!

Aguardem! =)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s